Em sua primeira semana de operação, o Pix, sistemas de pagamentos instantâneos do Banco Central, movimentou cerca de R$ 11,8 bilhões, segundo dados divulgados nesta pela autoridade monetária. Os dados contabilizam as transações realizadas entre o dia 16 de novembro, início da ferramenta, o dia 22.

De acordo com o BC, o maior movimento transacionado no Pix foi visto na sexta-feira, dia 20, quando o sistema somou mais de R$ 2,6 bilhões. Nesse dia, foi feriado em algumas cidades por conta do Dia da Consciência Negra.

No fim de semana, o volume de transações reduziu, retomando o patamar visto nos primeiros dias da novidade.

Além do volume movimentado, também chama atenção o número de chaves no Pix, que chegou a 83,490 milhões, considerando pessoas físicas e jurídicas. A quantidade total de usuários, porém, é menor. Isso porque, no caso das pessoas físicas por exemplo, um mesmo indivíduo pode ter até cinco chaves. Assim, a quantidade de usuários no Pix já soma 36,635 milhões.

A maioria são pessoas físicas, num total de mais de 34,474 milhões. Os outros 2,161 milhões equivalem a cadastros de pessoas jurídicas.

Alta movimentação

Se considerado o volume financeiro transacionado durante a fase de testes do Pix, o volume financeiro total chega a cerca de R$ 12,6 bilhões. A fase anterior à oficial, porém, foi restrita, conforme lembra o BC, contendo apenas transações liquidadas no Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI).

Questionado pela reportagem, o BC explicou que nesse período – que totalizou R$ 783,604 milhões -, estão apenas as transações feitas entre clientes de uma mesma instituição financeira.

De acordo com a autoridade monetária, os dados do Pix são enviados diariamente ao BC pelos participantes do sistema. Assim, explica, os números podem sofrer alterações retroativas.

 

Via Contábeis

CURTIU?
Acompanhe